Dentista

Hiperplasia Gengival

A hiperplasia gengival (aumento do tamanho da gengiva) é uma lesão associada à placa bacteriana e a fatores secundários, como medicamentos, alérgenos, hormônios, além de fatores de riscos locais, como o aparelho ortodôntico com brackets.

O aparelho ortodôntico com brackets colados aos dentes acrescenta risco de retenção de placa bacteriana e pode gerar a hiperplasia gengival em pacientes com higiene deficiente.

Além disso, outros fatores como alterações hormonais, medicamentos e até alergia ao metal que compõe o bracket pode provocar uma hiperplasia gengival.

O tratamento depende do fator que desencadeou a hiperplasia.

Continue lendo »

O controle da higiene bucal em paciente em uso de brackets deve ser muito bem orientado e acompanhado pelo ortodontista e, se preciso, pelo dentista clínico ou periodontista.

Em caso de alergia ao metal do bracket, normalmente o níquel, o tratamento inclui a mudança do aparelho por brackets Nickel Free ou outra aparatologia, caso esteja indicado, como invisalign.

Em casos onde alterações hormonais ou uso de medicamentos estejam associados ao desenvolvimento da hiperplasia, o médico responsável deverá ser consultado.

Após a remoção e o controle das causas, a correção da seqüela hiperplásica, na maioria das vezes deverá ser realizada através da gengivoplastia, que recupera o contorno normal da gengiva marginal, possibilitando o prosseguimento do tratamento ortodôntico.

 

Tratamento ortodôntico em paciente com periodonto reduzido

Os primeiros sinais da doença periodontal se manifestam na forma de uma gengivite (decorrentes do acúmulo de placa bacteriana sobre a superfície dos dentes) ou seja, uma resposta inflamatória nos tecidos gengivais. Caso a gengivite não seja tratada, poderá progredir para uma periodontite pela progressão da placa bacteriana para uma placa subgengival de composição mais complexa que leva a destruição do periodonto de sustentação do dente.

A destruição do periodonto de sustentação pela atividade da placa bacteriana gera perda de equilíbrio entre o suporte periodontal e as forças que agem sobre os dentes, resultando em alterações de posição que podem comprometer tanto a oclusão quanto a estética.


Continue lendo »

Sendo assim, o tratamento ortodôntico buscando o retorno à oclusão estável e a estética favorável é fundamental para estes pacientes, e deve ser introduzido em condições periodontais saudáveis se evitando o agravamento da condição gerada pela doença priodontal.

Uma estrutura periodontal sadia é extremamente importante para a movimentação dentária, para que se obtenham resultados satisfatórios. Portanto, torna-se importante a integração multidisciplinar entre a ortodontia e a periodontia, com a associação do tratamento ortodôntico e periodontal nos pacientes acometidos pela doença periodontal.

A aparatologia fixa esta indicada para o tratamento, porém o controle de placa deve ser estritamente realizado de forma adequada e a colagem dos acessórios deve ser feita de forma cuidadosa para que não seja muito próximo à margem gengival e não sobre excessos de resina para colagem que levaria a um maior acúmulo de placa e dificuldade de higienização.

Uma das indicações dos alinhadores Invisalign é em casos de pacientes com periodonto reduzido, uma vez que as forças geradas pelos alinhadores são mais leves e controladas, condição fundamental para movimentação nestes casos. Além disso, por ser removível, permite maior controle da placa bacteriana por parte do paciente durante a higiene bucal e controle nas consultas de manutenção com o periodontista.

 

Recessão gengival

A recessão gengival é a migração da gengiva em direção apical (como se o dente tivesse ficado grande) e esta relacionada a diversos fatores como processo inflamatório pelo acúmulo de placa, traumatismos causados por técnica de escovação incorreta, traumas da oclusão, envelhecimento natural do indivíduo, inserções anormais de freios e movimentação ortodôntica do dente para regiões de fenestrações ósseas e gengiva não queratinizada.

Sendo assim, o ortodontista deverá evitar tais movimentos dentários nestas regiões propensas à recessão, ou caso tal movimento seja necessário em áreas de risco, lançar mão de recursos periodontais como técnicas cirúrgicas para preservar ou aumentar a faixa de gengiva queratinizada.

 
 

FRENECTOMIA ou FRENOTOMIA

A frenectomia é um procedimento cirúrgico simples que remove ou reposiciona uma porção do freio labial ou lingual quando há excesso de tecido ou o tecido é excessivamente espesso.

O termo “freio” refere-se ao tecido fibroso que conecta os lábios superior e inferior, bochechas ou a língua com a gengiva.

A frenectomia é mais frequentemente indicada para os pacientes que tem um espaço (diastema) entre os dentes da frente (incisivos superiores ou inferiores) causado pelo freio. Este procedimento reposiciona ou remove uma parte do tecido para permitir que o diastema se feche e que os dentes permaneçam unidos após a remoção do aparelho não reabrindo o espaço.

Outra indicação é a remoção de bridas ou freios espessos nas laterais da bochecha quando estes estão inseridos muito próximos aos dentes podendo causar retração gengival.

Além disso, a frenectomia lingual pode estar indicada quando o freio é demasiadamente curto ou espesso causando prejuízo na fala (língua pressa).

O ortodontista irá indicar ou não este tipo de cirurgia e quando ela deverá ser realizada.

 
 

FIBROTOMIA

A fibrotomia é um procedimento cirúrgico simples que corta as minúsculas fibras elásticas em torno dos dentes. Este procedimento adicional pode ser recomendado para pacientes que tinham, antes do tratamento ortodôntico, os dentes demasiadamente girados ou rotacionados.

Os dentes anteriormente girados tem uma forte tendência à recidiva, ou seja, voltarem a ficar girados uma vez que as fibras em torno dos dentes são elásticas e mantém a memória da posição anterior ao tratamento.

Embora a fibrotomia minimize a possibilidade de recidiva de dentes girados, sempre após o tratamento ortodôntico corretivo haverá a necessidade do uso de algum tipo de contenção independente da realização da fibrotomia.

O ortodontista irá indicar este procedimento caso julgue necessário.

 
 

GENGIVOPLASTIA

A gengivoplastia é um procedimento adicional que pode ser realizada separadamente, ou muitas vezes, no mesmo tempo cirúrgico da frenectomia ou da fibrotomia quando indicados.

A gengivoplastia pode ser realizada para remoção do excesso de gengiva (hiperplasia gengival), para melhorar o contorno gengival deixando o sorriso mais harmônico (em casos de diferentes alturas da gengiva) ou para diminuir um sorriso gengival (expondo mais a coroa dos dentes).

O ortodontista irá indicar ou não este procedimento durante ou após o tratamento ortodôntico.